Como se escolhe o que vai aparecer na constelação?

Perguntas frequentes de tutores – Parte 3

No post de hoje, vou continuar respondendo às perguntas mais frequentes sobre constelação familiar, principalmente a constelação que envolve animais. Eu respondi nos posts anteriores se a constelação familiar pode curar a doença do pet e se pode existir alguma relação quando tutor e pet têm a mesma doença. Clica para conferir que o tema está bem interessante.



E a terceira pergunta que eu mais escuto das pessoas e que vou responder agora é: como se escolhe o que vai aparecer na constelação? Será que, quando alguém procura a constelação familiar, o facilitador ou facilitadora pode direcionar os assuntos de alguma forma e determinar ou influenciar os temas que vão surgir durante o processo?


Eu já ouvi relatos de pessoas que buscaram a constelação porque gostariam de resolver uma determinada pendência de suas vidas ou queriam entender melhor ou saber mais sobre um assunto específico. Só que, na hora H, outros assuntos apareceram e aquilo que a pessoa tanto queria saber não foi falado. Pelo menos não da forma como ela gostaria. Mas por que será que isso acontece?


A gente precisa entender que o campo mostra o que precisa ser visto. Basicamente, é isso. Pode até ser que o assunto que surgiu não seja considerado pela pessoa como o mais importante, mas se o que apareceu foi ele, é porque é para ele que precisa ser olhado. Também pode ser que o assunto que surgiu e o que a pessoa gostaria que tivesse surgido estejam relacionados, só que não de forma tão óbvia, mas o campo sempre mostra por onde se deve começar a olhar.


A partir dessa ideia, a gente também pode concluir que não é a pessoa facilitadora da constelação que escolhe o assunto que vai surgir, pois simplesmente ela não tem esse poder. A pessoa que está como facilitadora da constelação deve se manter neutra e deixar que as coisas aconteçam. O seu papel é apenas o de fazer a leitura daquele campo para então traduzir para o cliente o que está vendo. Mas e o cliente, não pode direcionar nem um pouquinho?



É bastante comum e eu já vi muitas vezes o cliente querendo mais ou menos controlar ou conduzir o andamento da constelação, dizendo: “Não, mas e se colocar isso aqui? E se colocar aquilo ali?” O que isso demonstra em muitos casos é que apareceu alguma coisa que a pessoa não quer olhar, então ela tenta sair pela tangente, digamos assim.

É por isso que eu costumo dizer que a constelação apenas levanta o tapete para que você veja o que está lá embaixo, mas a grande pergunta é: você está disposto ou disposta a olhar?




Então fica aí uma reflexão a ser feita para quando você for procurar a constelação familiar ou a constelação veterinária. E deixo também uma sugestão de leitura do post a respeito da constelação familiar envolvendo animais e como cheguei a essa técnica, que pode também ajudar na hora de decidir fazer a constelação.


Ao buscar a técnica de constelação familiar, a pessoa deve estar ciente de que nem ela e nem o constelador vão poder escolher o que vai surgir no campo. Isso significa que é importante estar, se não preparado, pelo menos disposto a encarar o que vai surgir. É claro que nem sempre conseguimos lidar com todos os assuntos. Cada um tem seu tempo e seus limites. Mas não é possível buscar a constelação esperando ter algum controle sobre o que ela vai te mostrar.


Então, se por acaso durante a constelação aparecer alguma questão que você não queria que aparecesse, não se revolte contra a pessoa que está constelando, porque não depende dela. O que você pode fazer é dizer: “Eu não quero olhar para isso”. E a gente vai respeitar, mas não vai ter como evitar que aquilo apareça.

Já teve gente que me ligou dizendo: “Olha, eu quero fazer a constelação, mas quero falar só do meu gato, não quero nada da minha família envolvido”. Só que eu não posso prometer. E se aparecer algo da família? Como é que a gente faz?


Obviamente, ninguém será obrigado a falar sobre algo que não queira, tanto que existe uma frase que se usa na constelação em algumas situações que diz: “Eu ainda não estou pronto para isso”. Nesses casos, o que se está querendo dizer é que, apesar de a pessoa ainda não estar pronta para lidar com aquela situação, apesar de ser muito para ela, ela ao menos olha para aquilo, o que é diferente de dizer simplesmente: “Eu não quero saber, eu não quero olhar”. Essa postura torna a constelação muito limitada, e aí fica bem difícil de ajudar.



E você, gostaria de saber mais sobre o que é constelação familiar e entender por que procurar a técnica de constelação familiar? O que você acha de descobrir qual o papel do seu pet no seu sistema familiar?


Entre em contato comigo e envie suas perguntas aqui pelo site, pelo Instagram ou pelo WhatsApp no (11)962929394.


E siga acompanhando as novas publicações, pois vou trazer mais perguntas e respostas sobre constelação familiar. No próximo post, vamos falar sobre levar um novo animal para casa após a morte de outro e o papel de cada um deles, sob o ponto de vista da constelação familiar.

Até lá!


Gostou do artigo?

Assine já !

ARTIGOS RECENTES