Devo dar um pet como presente de Natal?

O Natal está chegando e, apesar da situação de pandemia que vivemos atualmente, a data é importante para muitos em nossa cultura e não irá passar em branco.


Na festa natalina, o presente é muito valorizado, e quanto mais surpreender e impressionar, melhor. Quantas vezes aquele presente mais caro ou mais difícil de se ter chega somente no Natal? É como se tudo o que fosse mais desejado ficasse para ser dado nesse momento.


Sendo assim, é bastante comum que, no Natal, as pessoas deem animais de estimação como presente, especialmente para crianças, afinal, eles têm um valor inestimável e normalmente são recebidos com uma felicidade enorme.

Mas o que devemos considerar antes de dar um pet como presente?

É extremamente importante pensarmos bem no impacto que um pet pode ter na nossa rotina antes de o oferecermos como presente para alguém, seja de dentro ou fora de nossa casa. Nesse texto vou falar um pouco sobre o que devemos considerar antes de tomarmos essa decisão

Eles vivem muitos anos

A chegada de um gatinho ou cachorrinho na casa envolve e traz felicidade para a família inteira. Todos querem dar carinho, pegar no colo, brincar, escolher o nome. Só que muitas pessoas acabam se esquecendo de que aquele presente não vai estar ali somente no dia do Natal, mas continuará por muitos anos, exigindo muitos cuidados no dia a dia. Cães e gatos podem viver mais de 15 anos tranquilamente. Você está pronto(a) para essa longa parceria? Pense em como pode ser sua vida daqui 15 anos....seus filhos ainda estarão em casa? Se não estiverem, você concorda em manter o pet caso eles não possam levá-lo? E se mudar para uma casa menor ou apartamento daqui um tempo, consegue pensar em encaixar o pet na nova vida? Esses pontos são questões que não costumamos pensar com frequência, mas que podem ser decisivos na nossa vida e na vida de um pet no futuro.

Talvez eles façam xixi e cocô em toda a casa

O filhote de cachorro, assim como um bebê humano, não tem controle sobre o xixi e o cocô em um primeiro momento. Ele vai fazer suas necessidades em qualquer lugar, por onde passar, muitas vezes por dia. Da mesma forma que as crianças precisam ser ensinadas a ir ao banheiro, os cães também exigirão um treinamento para isso. Até lá, saiba que muita sujeira terá que ser limpa por um responsável e isso pode ser motivo de stress para a família inteira. Afinal, convenhamos: acordar pela manhã com a casa cheirando cocô de cachorro não é nada agradável, ainda mais quando acabamos de limpar e lá vem mais xixi pelo chão. Muitas vezes o stress da família é tão grande que as pessoas acabam gritando com os filhotes, brigando, até batendo, e o pequeno não entende porque está sendo tratado daquela forma. Mas pense: você gritaria, brigaria e bateria num bebê humano que fizesse xixi fora da fralda? Que deixasse escapar um cocô na calça num momento de distração, quando o desfralde ainda não está completo?


Pois é, o mesmo acontece com os filhotes de cães, mas por algum motivo as pessoas muitas vezes pensam que aquele filhotinho de 2-3 meses de idade "já nasceu sabendo", e faz sujeira fora do lugar "por birra". Não! Um filhote de cão não nasce sabendo controlar sua vontade de fazer xixi e cocô (assim como nós também não nascemos sabendo usar o banheiro), ele não suja a casa por birra, ciúmes, maldade ou safadeza e também não consegue adivinhar onde você quer que ele use como banheiro. Não grite nem bata nele por causa disso, ele estará sendo punido por algo que não tem controle. Existem métodos para ensinar o filhote a fazer as necessidades em local adequado mas ainda assim leva um tempo, e aceite: durante esse tempo você VAI limpar muito xixi e cocô pela casa. Mas acredite: se você se empenhar em ensiná-lo direitinho, essa fase vai passar.


No caso dos gatos, a tarefa é mais simples, pois eles aprendem sozinhos e bem rápido a usar a caixa de areia. Mas, lembre-se: alguém terá que recolher e jogar fora suas fezes e urina regularmente para o mau cheiro e os insetos não invadirem o ambiente.


Eles podem morder e destruir para se entreter

A forma como um filhote inicialmente interage com as pessoas e com os objetos será muitas vezes através de mordidas. É comum que o filhote destrua os mais diversos objetos presentes na casa: chinelos, sapatos, móveis, livros, cadernos, brinquedos, a lista é bem longa. Ele vai brincar de morder porque é o que ele sabe fazer, e seus dentinhos afiados podem machucar as crianças e também os adultos. Nem sempre as pessoas estão preparadas ou esperando que isso aconteça, afinal, filhotes parecem inofensivos, e de fato não farão isso por outro motivo que não seja se divertirem.



Existem formas de ensinar o filhote o que ele pode e o que não pode morder, através de brinquedos educativos próprios para cães. E atenção: NUNCA permita que o cão use suas mãos ou pés como brinquedo. Mesmo que não doa, mesmo que ele morda devagar, mesmo que seja "só uma brincadeira", nunca permita isso, pois um dia ele vai crescer e será mais difícil ensiná-lo que aquela "brincadeira" agora não pode mais ser feita. Ele vai tentar interagir com você mordendo mas, quando isso acontecer (e vai) diga um não firme, e imediatamente dê um brinquedo que ele possa morder. Se insistir em morder a mão, saia de perto ou o retire de perto, numa clara mensagem de "mordeu, acabou a brincadeira". Com o tempo ele vai entender.


No caso dos gatos o grande problema são as arranhaduras. Eles tem garras afiadas e gostam de afiá-las ainda mais. E possivelmente farão isso no pé da cadeira, do sofá, da cama, no tapete da sala, nas almofadas, travesseiros, nas cortinas, a lista de locais potencialmente destrutíveis para um gato é interminável. Sem contar o hábito felino de jogar coisas no chão, mas por que eles fazem isso? Porque sim. Sabe aquela cômoda cheia de bibelôs? Não vai durar muito com um filhote de gato solto pela casa.

Eles podem chorar (muito) durante a noite

Quando levamos um filhote de cão para casa, temos que considerar que ele estava acostumado a viver com os irmãos e a mãe até pouco tempo atrás (às vezes horas atrás). Ele é tirado desse ambiente e vai para uma casa estranha, com cheiros e sons estranhos, sem os irmãos, sem a mãe, com pessoas que ele ainda não conhece e não tem vínculo nenhum. As chances de ele chorar durante noites inteiras são grandes, o que é totalmente normal, mas também estressante para a família e até para os vizinhos. E uma noite mal dormida acaba com o humor de qualquer um, não é mesmo? Talvez você precise levar o filhote para dormir por alguns dias em companhia de alguém da família, para o bem do sono (e do humor) de todos.

Todos os cães precisam de adestramento básico

Todo cachorro precisa ter pelo menos um adestramento básico para uma boa convivência com a família, independentemente da raça. Se a pessoa não souber como fazer, recomendo contratar alguém que saiba, mesmo que o intuito seja ter um cão apenas para companhia. É comum as pessoas acreditarem que apenas cães para guarda devem ser adestrados mas o fato é que todo cachorro precisa entender e obedecer a comandos básicos como “fica”, “vem” e principalmente o “não”, entre outros.




Quando um cão não tem limites bem definidos, ele se torna um cão descontrolado, porque não sabe o que pode e não pode fazer. E não, não é apenas dizendo ao seu cão "não entre na cozinha" que instantaneamente ele irá aprender isso, há muito trabalho a ser feito continuamente para que esse e outros comandos sejam ensinados. Esse é um trabalho em que a família toda tem que estar envolvida e empenhada. Se um comportamento não é desejável, como pular nas pessoas ou subir no sofá, por exemplo, todos os membros da casa devem parar de incentivar esse comportamento, mesmo que em alguns momentos possa parecer divertido, engraçado ou bonitinho. Se uma pessoa não permite e todas as outras permitem, será muito difícil para o cão entender se ele pode ou não pode fazer tal coisa.

Despesas fixas e variáveis

Quando pensamos em ter um pet normalmente pensamos nos custos com ração, que no fundo podem nem ser tanto assim dependendo do tamanho do pet. Mas esquecemos de outros custos fixos, como vacinas, vermífugos, antipulgas mensais, brinquedos (muitos precisarão ser repostos), cama, acessórios (bebedouro, comedouro, coleira, roupas), banho e tosa (dependendo da raça irá precisar de cuidados constantes com os pêlos). Sem contar nos custos variáveis, que são aqueles que duram por um certo tempo, como adestrador, hotelzinho para uma viagem inesperada ou um custo extra com veterinário. Eventualmente seu pet pode se machucar, cair da cama ou brigar com outro cão, e precisar de atendimento veterinário que não estava planejado. Pode ficar doente, mesmo com todos os seus cuidados (afinal crianças pequenas também ficam doentes, não).



Além disso, cães precisam de atividade física, como brincadeiras e passeios diários. "Ah mas meu quintal é grande, ele terá bastante espaço para correr". Eu digo que ter quintal grande é o mesmo que ter bicicleta ergométrica em casa, o fato de ter não quer dizer que você irá usar. Além disso, falando dos cães, é importante para eles saírem de casa, sentirem cheiros diferentes, verem outros cães, caminharem, se distraírem. Você conseguiria se imaginar passar o dia inteiro dentro de uma casa enorme, com todo o conforto do mundo, mas sem TV, sem internet, sem rádio, sem celular? Nada para se distrair, nenhum livro ou revista para ler? O que você faria o dia inteiro? E uma semana....um mês.....um ano? É mais ou menos o que acontece com muitos cães, que são deixados no quintal ou em uma casa grande sem absolutamente nada para fazer. Alguém da família terá tempo para passear com ele todos os dias? Se não tiver, terá condições de contratar um passeador ou pagar a mensalidade de um day care? Muitos problemas de saúde dos cães são causados por falta de atividade física e distração, que são os principais causadores de stress e tédio nos animais.



Durante os períodos das festas costumeiramente as crianças estão de férias escolares, às vezes o pai ou a mãe também tiram férias do trabalho, e as pessoas têm mais tempo para se dedicar ao novo pet. Mas logo mais a escola começa, as férias do trabalho terminam e.....? Quem cuidará do bichinho? Se não há verba para pagar daycare ou passeador e ninguém da família tem tempo para passear com o cão diariamente, melhor repensar o presente.


Gatos não costumam necessitar de passeios diários e se adaptam muito bem a momentos sozinhos em casa, porém o local precisa estar preparado para protegê-lo de fugas, com telas em janelas e proteção nos muros das casas. Os gatos são animais curiosos por natureza, e muito provavelmente irão querer dar uma passeadinha fora de sua casa para ver o que há lá fora, correndo sérios riscos de vida.

Um cão ou gato pode ser uma companhia incrível para uma família, trazendo diversos benefícios físicos e emocionais. Por outro lado, precisamos pensar muito bem antes de darmos um pet como presente de Natal, pois vários são os desafios de ter um animal em casa. Infelizmente, muitos pets são doados, abandonados ou devolvidos porque esses fatores não foram previamente considerados. Haverá dias bons e dias ruins, mas certamente se você estiver disposto a se dedicar ao seu pet e fizer um planejamento adequado, ter um companheiro de quatro patas em casa poderá ser muito gratificante.






Gostou do artigo?

Assine já !

ARTIGOS RECENTES