Marley da vida real, um cãozinho pra lá de inesquecível




Gostaria de contar um pouco sobre o meu filho de quatro patas, Marley, da raça Golden Retriever.


Marley foi literalmente o cachorrinho da promoção: compramos junto com a sua irmãzinha Nina, da raça Shih tzu, e vivemos momentos muito felizes com ele.


Marley honrava muito bem sua raça: era muito brincalhão, dócil, comilão e preguiçoso. Alegria pra ele era o que não faltava!


Aos 4 anos de idade, entretanto, notamos algo diferente: aquele cão, cujo sobrenome era felicidade, já não estava mais tão feliz assim. Levamos à veterinária dele, Dra Giuliana, e foi então que Marley foi diagnosticado com Linfoma. Nem sei explicar o que senti quando recebemos o diagnóstico. Tumor, câncer, ninguém gosta de ouvir essas palavras, muito medo, muitas dúvidas. E ele só tinha 4 anos, como isso era possível?


Por indicação da Dra Giu fomos prontamente atendidos pela Dra. Vanessa Muradian, veterinária oncologista responsável pela PetProLife, que nos explicou tudo sobre a doença e quais os tratamentos disponíveis e possíveis de serem realizados. Gostamos muito do profissionalismo, calma e assertividade da dra, e assim começamos imediatamente com a quimioterapia.


Logo após a primeira sessão Marley nos deu bastante esperança, reagindo super bem ao tratamento e sem efeitos colaterais da medicação. E depois veio a segunda, terceira, quarta ... e lá estava ele, o mesmo Marley de sempre! Brincalhão e comilão.


Após cada sessão de quimioterapia as veterinárias da clínica davam biscoitinhos pra ele, e assim ele foi acostumando...e, dessa forma, cada vez que esticava o bracinho para a quimioterapia já virava a cabeça procurando onde estavam os biscoitos, quem iria dar dessa vez, e quantos biscoitinhos ele iria receber.


Sei que há muitas dúvidas e medos em relação a quimioterapia para cães, mas posso dizer com toda convicção que foi imprescindível para o meu Marley, pois devolveu a qualidade de vida que ele tinha antes do diagnóstico.


A palavra câncer já assusta só no falar, e o caso do Marley não era simples, pois além da pouca idade era um linfoma bastante agressivo, já estava se infiltrando no pulmão e outros órgãos. Mas isso não nos fez desistir de tratá-lo, não sabíamos quanto tempo de vida ele teria pela frente mas queríamos que tivesse a chance de nos mostrar isso, da melhor forma possível.


Marley estava bem, um ano se passou e ele manteve sua vida normal, feliz e brincalhão como sempre.

Por questões financeiras, infelizmente fomos forçados a parar o processo de quimioterapia na clínica. Eu sabia que tomar essa decisão iria prejudicar sua saúde, mas há situações na vida que não nos deixam escolhas.


A Dra. Vanessa reforçou as possíveis complicações da interrupção do tratamento, mostrando sua preocupação. Explicou que haviam opções de quimioterapia em comprimidos, que poderia ser feita em casa e sairiam mais em conta do que as sessões na clínica, mas que poderia não ser tão eficaz quanto ao protocolo injetável que fazíamos. De qualquer forma ajudaria o nosso querido Marley.


Fomos pra casa de coração partido, porém determinada a ajudar meu filhinho com aquilo que eu poderia fazer.


Comecei a administrar a medicação, Marley reagiu super bem e mostrou entusiasmo, e o aperto no meu coração deu uma afrouxada!


Mesmo com o tratamento em casa, o contato era contínuo com a Dra. Vanessa que, sempre prestativa e atenciosa perguntava como ele estava, se estava tendo efeitos colaterais, se precisava ajustar a dose da medicação.


No segundo mês de tratamento em comprimidos ele começou a comer menos e, consequentemente, a perder muito peso novamente. Ali eu percebi o que ela quis dizer com tratamento não ser tão eficaz, vi que voltamos a estaca zero e o quanto o protocolo correto no momento certo é de extrema importância no tratamento de alguns tipos de câncer. Nem toda quimioterapia funciona para todos os cães, o tratamento precisa ser individualizado e acompanhado de perto por quem entende bem de oncologia veterinária, para que os medicamentos sejam cuidadosamente escolhidos e mudados na hora certa. Não era ainda a hora dele passar para o tratamento em comprimidos, mas foi o que pudemos fazer.


Marley piorava a cada dia, e eu sabia que a sua hora iria chegar. No dia em que eu e meu marido iriamos levá-lo ao veterinário, para uma internação ou, pior, a eutanásia, ele não resistiu e faleceu.

Um dia de muita tristeza, mas também de sentimento de missão cumprida. Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance e sou muito grata a Dra. Vanessa por ter nos dado esse um ano de mais momentos felizes.


Agradeço pela oportunidade de contar um pouquinho da história do Marley, e aproveitar para deixar um apelo: não desistam dos seus animais, façam de tudo para que o seu bichinho viva bem! Confiem na Medicina Veterinária, nos excelentes profissionais, veterinários oncologistas que existem próximo de nós, que se dedicam ao máximo e querem que nossos pets vivam bem e com qualidade, pelo tempo que for possível.


Claro que queremos que vivam por muitos e muitos anos, mas mais importante do que o tempo que irão viver é a qualidade de vida nos dias que lhes restam. E posso dizer com absoluta certeza: meu Marley viveu MUITO FELIZ pelo tempo que São Francisco de Assis permitiu.


Gostou do artigo?

Assine já !

ARTIGOS RECENTES

© 2017 Vanessa Muradian

Todos os direitos reservados