Novo cão em Hong Kong positivo para SARS-Cov-2 e informações sobre o primeiro cão positivo

Em 08 de março de 2020 publiquei aqui atualizações sobre um cão de Hong Kong que havia testado positivo para o SARS-Cov-2, vírus causador da COVID-19. Caso queira informações detalhadas sobre esse primeiro caso clique aqui 

 

Resumindo, segundo informações publicadas no site da WSAVA (Associação Mundial de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais), um cão de uma paciente infectada pelo vírus SARS-Cov-2, causador da COVID-19, havia sido testado para o mesmo vírus, e o resultado foi um "fraco positivo". Mesmo sem saber o que isso de fato significava, o cão foi então colocado em quarentena, isolado e afastado da família, e continuou sendo testado com frequência sendo que, em testes subsequentes, resultados inicialmente positivos começaram a dar negativo, e o cão continuou na quarentena sem nenhum sintoma clínico.

 

Após ter testado negativo repetidas vezes, e continuando sem sintomas clínicos, o cão foi liberado da quarentena e voltou para casa. No entanto, três dias após ter ido para casa o cão, que também tinha cardiopatia e doença renal, acabou falecendo, aos 17 anos de idade. Segundo as autoridades de Hong Kong, não há evidência de que o cão tenha morrido em decorrência da COVID-19, já que além de ser idoso ainda tinha outros problemas de saúde, que podem ter sido exacerbados pelo stress de ter sido retirado de sua família e ficado isolado durante a quarentena. Além disso os últimos testes para COVID-19 estavam todos negativos e ele não tinha nenhum sinal clínico de doença, apesar de ter comorbidades.

 

No dia 19 de março de 2020, o Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação de Hong Kong informou que um segundo cão teve exame positivo ao coronavírus causador da COVID-19. O cão foi também colocado em quarentena após seu responsável testar positivo para a doença da pandemia. Um segundo cão da mesma casa testou negativo, e o cão positivo continua sem nenhuma sintomatologia de nenhum tipo de doença, e continuará sendo testado durante o período da quarentena.

 

Segundo o Presidente da WSAVA, Dr. Shane Ryan, "mesmo não sabendo muito sobre a COVID-19, podemos dizer que o primeiro cão, que havia testado positivo para SARS-Cov-2 (vírus causador dessa doença) não morreu de COVID-19 e o segundo cão continua sem nenhum sinal clínico de nenhuma doença; até o momento não temos nenhuma evidência de que cães possam adoecer ou transmitir a COVID-19 para outros cães ou pessoas.

 

 

 

De acordo com o CDC (Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA), apesar do vírus ter vindo por uma fonte animal, ele continuou sua disseminação de pessoa a pessoa na China e, de lá, para o resto do mundo. Não há razão para acreditar que animais de estimação possam ser fonte de infecção desse coronavírus para seres humanos. Até a presente data, segundo o site do CDC, o órgão não recebeu nenhuma notificação de animais de estimação ou outros animais ficando doentes pela COVID-19. Entretanto, como os animais podem transmitir outras doenças aos seres humanos (as chamadas zoonoses), é sempre uma boa idéia manter medidas de higiene como lavar as mãos após brincar ou ter qualquer contato próximo com qualquer animal. 

 

Conforme novas informações sobre esse assunto forem sendo divulgadas manterei todos os clientes e seguidores da newsletter informados. Nesse momento difícil pelo qual estamos todos passando é importante darmos atenção também aos nossos pets, que poderão ser nossos maiores aliados nesse momento, nos dando atenção, carinho e literalmente ocupando nossa cabeça e nossa vida. Podem ser grandes companheiros para quem não pode (ou pelo menos não deve) sair de casa.   

 

 

Please reload

Please reload

Gostou do artigo?

Assine já !

ARTIGOS RECENTES

© 2017 Vanessa Muradian

Todos os direitos reservados